Santos, 20 de outubro de 2021 10:07

Da Baixada Santista e do Mundo

+22
°
C

Sabesp afirma que banheiros são viáveis no VLT

Por:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram
Share on email
Share on print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Não há mais argumentos empresariais e políticos para que a população da Baixada Santista não tenha o direito a banheiros nas estações do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) de Santos e São Vicente. A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) informou à Reportagem que os ramais para as ligações de água e esgoto são perfeitamente acessíveis.

Portanto, a BR Mobilidade e as prefeituras de ambas as cidades podem perfeitamente se unir e decidir pela implantação dos sanitários para que, finalmente, funcionários e usuários – incluindo deficientes físicos – tenham um direito previsto por lei.

“A Sabesp esclarece que, após apresentação de um projeto pela empresa que administra o VLT, vai iniciar as análises e discussões técnicas para a viabilidade das demandas necessárias”, informa a empresa por sua Assessoria, explicando que o procedimento é bem comum e semelhante a qualquer empreendimento particular que pretende iniciar obras nas cidades.

A Sabesp completa que, ao ser acionada, manda as diretrizes para que a empresa responsável pela obra providencie as adequações, como ocorre na construção de condomínios com vários blocos, cujo projeto é analisado e, se for necessário, para que as redes de água ou coleta de esgoto sejam reforçadas.

A FAVOR.
Procurada, a Prefeitura de São Vicente informa que não se opõe à construção dos sanitários nas estações do VLT, uma vez que é de competência da concessionária realizar a construção e a manutenção dos sanitários. No que se refere às questões jurídicas, a Prefeitura não se manifestou, pois não compõe o polo passivo da demanda judicial.

Vale lembrar que a questão está sendo levantada novamente pelo Diário porque, apesar de já estar decidido, em segunda instância, que as estações do VLT terão que oferecer banheiros, a Prefeitura de Santos prefere aguardar a decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) para, só depois, possivelmente, exigir da BR Mobilidade o cumprimento da decisão judicial proferida pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT) – 2ª Região.

A segunda fase do VLT em Santos já se encontra em obras e a BR Mobilidade já revelou que irá recorrer da sentença – porém, o TST não possui histórico de mudar decisões de outras instâncias do Judiciário.

Vereadores e vereadoras de Santos e deputados da Baixada Santista acreditam que é preciso começar a instalação dos banheiros antes da decisão final porque eles já deveriam já estar previstos nos projetos de implantação do modal.

MPT.
Conforme publicado com exclusividade no último dia 2 pelo Diário, o Ministério Público do Trabalho (MPT) venceu a ação movida em 15 de dezembro de 2017. O acórdão ocorreu em 7 de maio último. A BR Mobilidade, responsável pelo modal, ainda terá que pagar R$ 50 mil de indenização pela prática de dano moral coletivo.

A ação é resultado do trabalho do procurador Rodrigo Lestrade Pedroso, da Procuradoria Regional do Trabalho 2ª Região, que incluiu a falta de banheiros no inquérito 625/2017 e depois processo sobre irregularidades trabalhistas envolvendo o equipamento administrado pela Empresa Metropolitana de Transporte Urbano (EMTU) e a BR Mobilidade. A ação agora é conduzida por outro procurador José Pedro dos Reis.

A falta de sanitários aos trabalhadores fere a Norma Regulamentadora 24, do Ministério do Trabalho e Emprego. Lestrade informou que “se existe trabalhadores prestando serviços de forma continua nas estações, a NR-24 exige banheiros para atendê-los. Além, o princípio da dignidade da pessoa humana, previsto na Constituição, impõe que a empresa providencie sanitários”, afirma o profissional.

Rodrigo Pedroso revelava que, no mínimo, deveria existir uma alternativa, como banheiros químicos, já que não se tomou o cuidado de, na construção das estações, providenciar sanitários. “A Prefeitura poderia ter exigido, mas preferiu pensar que as empresas é que deveriam tomar a iniciativa”, disse.

Fonte: https://www.diariodolitoral.com.br/santos/sabesp-afirma-que-banheiros-sao-viaveis-no-vlt/150112/

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram
Share on email
Share on print